Na manhã desta terça-feira (30/11), membros do Comitê Gestor de Segurança da Informação Multidisciplinar do Tribunal de Justiça do Tocantins (CGSI-TJTO) estiveram reunidos, por meio de uma videoconferência, para tratar da Resolução 396/2021 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que instituiu a Estratégia Nacional de Segurança da Informação e Cibernética do Poder Judiciário, denominada (Ensec-PJ), um instrumento institucional que vai orientar a resposta dos órgãos da Justiça à crescente ameaça de ataques de hackers à infraestrutura virtual dos tribunais brasileiros.

A reunião contou com a presença do juiz auxiliar da presidência do TJTO, Manuel de Farias Reis Neto; do diretor de Tecnologia da Informação, Ernandes Rodrigues da Silva; da delegada Milena Santana de Araújo Lima; do chefe de divisão Ricardo Marx Costa Soares de Jesus; do analista judiciário Marcelo Leal de Araujo Barreto; e da chefe de divisão Alice Carla de Sousa Setubal.

Segurança cibernética

Na pauta foram discutidos os objetivos da Ensec-PJ, que visa o aprimoramento do nível de maturidade em segurança cibernética, abrangendo os aspectos fundamentais da segurança da informação; segurança no ambiente digital; aumento da resiliência às ameaças cibernéticas; estabelecimento da governança de segurança cibernética; fortalecimento da gestão e coordenação integrada de ações de segurança cibernética; permissão da manutenção e a continuidade dos serviços, ou o seu restabelecimento em menor tempo possível.
Durante o encontro virtual, o diretor de TI fez uma apresentação aos demais participantes com informações sobre os objetivos, princípios, diretrizes, pontos relevantes, atribuições e as principais sugestões de providências para a implementação da Resolução CNJ 396/2021, no âmbito do Poder Judiciário do Tocantins.

Ficou estabelecido pelos presentes que será preciso a estruturação de um grupo de trabalho operacional que ira propor os entendimento ao comitê.

Texto: Samir Leão
Comunicação TJTO