O Poder Judiciário do Tocantins deu um importante passo para o aperfeiçoamento de suas atividades na tarde desta terça-feira (9/11). Com a palestra “Direito à informação versus Direito à privacidade”, ministrada pelo especialista em jornalismo, articulista, professor e bacharel em Direito, Carlos Alberto Di Franco, o Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO), por meio da Escola Superior da Magistratura Tocantinense (Esmat), abriu, oficialmente, a Pós-Graduação Lato Sensu em Comunicação Jurídica Estratégica na Era Digital. A aula magna também foi transmitida virtualmente pelo canal da Esmat no YouTube.

Para o presidente do TJTO, desembargador João Rigo Guimarães, que abriu os pronunciamentos, a pós-graduação “é um curso memorável que irá ficar nos anais da Esmat e do Tribunal de Justiça do Tocantins. A comunicação é uma área de muita importância na vida das pessoas, das famílias, do nosso cotidiano. Sinto-me honrado em estar presente neste momento de abertura. Quando ando pelo Brasil sempre sou abordado por pessoas que elogiam a Esmat e isso me orgulha muito, pois é uma escola que está sempre à frente, é uma escola de vanguarda”, disse.

Capacidade de escuta

O palestrante Carlos Di Franco elogiou a iniciativa do TJTO e deu as boas-vindas aos alunos e alunas que acompanharam a transmissão. “O direito à informação e o direito à privacidade, dois direitos humanos fundamentais, não têm relações fáceis, porém reclamam relações de harmonia e não de conflito. Para isso, é importante e necessário trabalharmos com informações de qualidade, não apenas qualidade técnica, mas principalmente qualidade ética”, destacou. Di Franco alertou para a necessidade de retomarmos a capacidade de escuta. “Os jornalistas devem ter uma micro-boca e uma macro-orelha. Ouvimos pouco, e o exercício da escuta é fundamental”, frisou.

“Não se pode falar em democracia, sem liberdade de expressão, sem acesso à informação. Esse curso é mais uma proposta da Esmat de interlocução, de transparência para solidificar, cada vez mais, a nossa democracia e a estabilidade jurídica”. Essas foram as considerações feitas pelo diretor-geral da Esmat, desembargador Marco Villas Boas, que aproveitou a ocasião para anunciar o adiantado do projeto de construção da sede definitiva da escola em Palmas.

Interlocução com a imprensa

Segundo a corregedora-geral da Justiça, desembargadora Etelvina Maria Sampaio Felipe, em suas considerações sobre a palestra, “o interesse público se sobrepõe à nossa vida privada”. Para ela, o curso é de grande importância para o Judiciário conhecer mais a imprensa e a imprensa conhecer mais o Judiciário. “Precisamos nos conhecer mais e ampliar nosso diálogo, termos uma interlocução mais efetiva com a imprensa”, frisou a magistrada.

Estreitar relações

O diretor do Centro de Comunicação Social do TJTO, jornalista Tião Pinheiro, usou a palavra para ressaltar o esforço conjunto, da presidência e diretorias do TJTO, da Corregedoria-Geral da Justiça, das equipes da Esmat, e da imprensa, para a conquista da pós-graduação. Ditando nominalmente toda a equipe de profissionais do Cecom, Tião Pinheiro ressaltou que o curso é uma demonstração de respeito do Judiciário com a sociedade. “É uma pós-graduação que vai estreitar as relações entre o Judiciário, imprensa e sociedade. Estou muito feliz com esses resultados”, pontuou.

Diálogo

A coordenadora da pós-graduação, professora doutora Valdirene Cássia da Silva, cumprimentou a todos os participantes e reiterou a necessidade do discurso da aproximação, do diálogo, da reflexão e análise. Ela apresentou algumas coordenadas dos módulos do curso e se mostrou à disposição para mitigar dúvidas. A aula inaugural também foi elogiada pela presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Tocantins, Alessandra Bacelar. “Quando as duas partes estão interessadas no diálogo, há sempre um caminho de entendimentos. Quero agradecer ao Tribunal de Justiça e à Esmat pela iniciativa e desejar sucesso a todos”, disse.

A pós-graduação

Foram ofertadas 50 vagas na pós-graduação para servidores e servidoras do Poder Judiciário tocantinense e servidores e servidoras de órgãos parceiros da Esmat (Procuradoria Geral do Estado, Ministério Público Estadual, Tribunal de Contas do Estado, Defensoria Pública, Tribunal Regional Eleitoral, Justiça Federal, Ordem dos Advogados do Brasil/Seccional Tocantins, Universidade do Estado do Tocantins (Unitins) e Universidade Federal do Tocantins (UFT), Poder Executivo Estadual – Governo do Estado do Tocantins – Palácio Araguaia – e Poder Executivo Municipal – Prefeitura de Palmas), com graduação em comunicação social e suas habilitações e atuação em comunicação social e suas habilitações; e jornalistas com graduação em comunicação social, em atuação, e vinculados aos veículos de imprensa do Estado do Tocantins e Sindicato dos Jornalistas.

Disciplinas

As disciplinas terão atividades à distância, desenvolvidas no Ambiente Virtual de Aprendizagem, com um percentual de até 20% da disciplina e atividades presenciais com um percentual de 80%, ambas as atividades obrigatórias. As aulas serão ministradas em dois dias da semana. Na terça-feira, o horário é das 9h às 11h30 e na sexta-feira das 14h às 16h30. O curso será concluído em 21 de fevereiro de 2023.

Segundo o conteúdo programático, a pós-graduação conta com as disciplinas Métodos de Ensino e Pesquisa; Produção de Portfólio Digital; Comunicação e Convergência Digital; Comunicação como Fator Estratégico no Judiciário; Comunicação Integrada no Processo de Construção da Imagem do Sistema Judiciário; Gestão de Riscos e Gerenciamento de Crises nas Mídias Digitais; Planejamento Estratégico para Mídias Digitais Corporativas; Empreendedorismo, inovação e gestão de projetos ágeis em Comunicação Corporativa; Endomarketing, entre outras atividades.

Presenças

Além das autoridades citadas, participaram da Aula Magna a juíza Odete Almeida, presidente da Asmeto; a promotora de Justiça e Diretora do Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional do Ministério Público do Tocantins, Cynthia Assis de Paula, representando o procurador-geral da Justiça, Luciano Casaroti; os juízes Arióstenes Guimarães e José Roberto Ferreira Ribeiro; o diretor-geral do TJTO, Jonas Demóstene Ramos; a subprocuradora do Centro de Estudos da Procuradoria-Geral do Tocantins, Elyane Monteiro; e a responsável pela Assessoria de Comunicação do Tribunal de Contas do Estado (TCE-TO), Dhenia Gerhardt.

Texto: Ramiro Bavier

Foto: Divulgação

Comunicação TJTO