O Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO) realizou, na tarde desta quinta-feira (4/11), a primeira reunião de trabalho, juntamente com representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e dos tribunais de Justiça do Acre, Amapá e Rondônia, quando debateram sobre os processos de integração de cada tribunal à Plataforma Digital do Poder Judiciário Brasileiro (PDPJ-Br) e implantação do Codex. O encontro se deu de forma híbrida, na sala de reuniões do Centro de Inteligência do Núcleo de Gerenciamento de Precedentes (Cinugep), sede do TJTO. A reunião foi aberta pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO), desembargador Hélvécio de Brito Maia Neto.

De acordo com o juiz auxiliar da presidência do TJTO, Océlio Nobre da Silva, o PDPJ é uma ferramenta que vai dar uma cara única ao Judiciário brasileiro. “Nós estamos em discussões para que consigamos elaborar um cronograma de implantação. É um trabalho interessante porque o Tribunal do Tocantins é vanguardista nesse processo de virtualização, um Tribunal 100% digital, mas que tem ainda alguns desafios e degraus para avançar e chegar ao topo da eficiência”, disse o magistrado.

Segundo destacou o juiz auxiliar da presidência do CNJ Fábio Ribeiro Porto, os tribunais representados no encontro estão caminhando para efetuar a integração à plataforma digital do Poder Judiciário. “Essa integração visa criar um congregamento para que todos possam evoluir coletivamente, racionalizar custos, reduzir despesas, amplificar desenvolvimento, para que isso possa ser aproveitado por toda a sociedade. Eu vejo que os tribunais estão engajados, têm dificuldades, óbvio, todos têm, mas há o interesse coletivo de transformar isso numa realidade palpável, concreta e factível no curto prazo”, avaliou.

Outras pautas

Para esta sexta-feira, a partir das 10h, as discussões vão se concentrar na pauta do Juízo 100% Digital, Balcão Virtual e Núcleos de Justiça 4.0. Os encontros realizados dias 4 e 5/11, em Palmas, fazem parte do cronograma de reuniões regionais sobre o Programa Justiça 4.0 que vêm sendo realizados pelo CNJ no país.

Presenças

Além dos já citados, participaram da reunião os juízes auxiliares da presidência do CNJ Alexandre Libonati de Abreu, Dorotheo Barbosa Neto e João Azambuja; representantes da área de TI dos tribunais do TO, AC, AP e RO; os magistrados do TJTO Silvana Parfieniuk; Rodrigo Perez Araújo e Adriano Gomes Oliveira; o procurador-geral da Justiça do Estado do Tocantins, Luciano Casarotti; o diretor judiciário e o diretor de Tecnologia da Informação do TJTO, respectivamente, Wallson Brito da Silva e Ernandes Rodrigues da Silva.

Texto: Ramiro Bavier

Comunicação TJTO