“Uma pequena obra, mas com um alcance social e ambiental gigantesco”, com essas palavras o presidente do Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO), desembargador João Rigo Guimarães, inaugurou, na manhã desta sexta-feira (24/9), a Central de Coleta Resíduos, localizada atrás da sede do tribunal em Palmas, e que irá receber os resíduos gerados no interior dos prédios do Poder Judiciário.

Na presença da presidente da Comissão Gestora do Plano de Logística Sustentável do Tribunal de Justiça do Tocantins (PLS-PJTO), desembargadora Ângela Prudente, da secretária de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Miyuki Hyashida, de diretores e servidores do TJTO, o presidente disse esperar que a central seja modelo para outros órgãos e destacou que o local trará benefícios ao meio ambiente, por meio da destinação correta dos resíduos, além de ajudar as cooperativas conveniadas com o TJTO, que poderão usar o espaço para coletar o material já separado e, com isso, favorecer a geração de renda dos catadores.

“A central é mais uma etapa que concluímos na busca pela preservação do meio ambiente. Além de atender a demanda ambiental, o catador de recicláveis também será beneficiado com a central, que será mais uma fonte de renda para aquele cidadão. Ações e medidas socioambientais precisam ser estimuladas e espero que a central do TJTO sirva de modelo para outros órgãos”, comentou o desembargador João Rigo Guimarães.

Comprometimento

A desembargadora Ângela Prudente agradeceu o presidente do TJTO por ter tornado concreta a Central de Resíduos, o que, segundo ela, edificou de forma assertiva o segundo ciclo de execução do PLS do Poder Judiciário tocantinense e ressaltou a importância do Núcleo de Gestão Socioambiental (Nuges), órgão responsável por capitanear a iniciativa. “Essa ação demonstra o efetivo comprometimento com a responsabilidade social e confere vultosa credibilidade ao tribunal para além do conjunto de valores que se requer de uma instituição. A central consolida a realização de um propósito do Nuges desta Corte, que busca aperfeiçoar a gestão de resíduos como um todo”, pontuou a desembargadora, que também é a vice-corregedora-geral da Justiça. 

A presidente do comitê gestor do PLS disse também que a central dará vazão ao projeto da Coleta Seletiva Solidária, que vislumbra reduzir o impacto negativo das atividades do órgão perante o meio ambiente e fomentar a inclusão socioeconômica dos catadores recicláveis. Inicialmente implantada nas unidades administrativas de Palmas, a Coleta Seletiva Solidária, lançada no início deste ano pelo TJTO é contemplada pelo PLS-PJTO, deve avançar para implementação em mais comarcas em 2022.

Secretária destaca modelo

Presente no evento, a secretária do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Tocantins, Miyuki Hyashida, comentou da importância da iniciativa do TJTO e que a ação pode servir de exemplo para outras instituições. “A questão do processamento dos resíduos sólidos é um grandioso problema que o Brasil tem. Então, quando temos ações que começam a ser executadas de cima para baixo, o exemplo é excelente e a dimensão do resultado é maior. É natural que nós, dentro da Secretaria do Meio Ambiente, vamos tentar copiar esse modelo e trabalhar da mesma forma. Vamos buscar multiplicar a ideia e que outras instituições também adotem”, disse.

Funcionamento

A construção da central atende às recomendações do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e busca promover a preservação do meio ambiente, por meio da destinação adequada de todos os tipos de resíduos gerados durante a execução diária dos trabalhos. Os resíduos serão depositados em quatro baias correspondentes aos respectivos materiais: metal, vidro, papel e plástico. Esse material poderá ser coletado pelas cooperativas conveniadas com o TJTO, para que tenha a destinação correta e ajude a preservar o meio ambiente e favorecer a geração de renda dos catadores.

De acordo com o Nuges, a adequada gestão dos resíduos gerados deve promover a coleta seletiva, o reuso, a reciclagem dos materiais e a inclusão socioeconômica dos catadores. A ação está em consonância com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, com a Resolução CNJ 400/2021, que dispõe sobre a política de sustentabilidade no âmbito do Poder Judiciário, e com PLS-TJTO. 

Telhado Verde

A Central de Coleta de Resíduos é o primeiro espaço do TJTO a ganhar um telhado verde. A estrutura é coberta com grama, que, entre outras funções, irá melhorar o isolamento térmico da edificação, terá maior retenção da água das chuvas e reduzirá o consumo de energia, devido à redução da temperatura no ambiente interno, diminuindo a necessidade de refrigeração.

PLS-PJTO

O PLS-PJTO compreende o período de 2021-2023. Os planos de ação, os indicadores e as metas abrangem de forma direta todas as unidades organizacionais do Poder Judiciário tocantinense. Os públicos-alvo a que se destinam as diretrizes deste Plano, no âmbito interno, são os magistrados, gestores administrativos, servidores, estagiários, voluntários e trabalhadores terceirizados.

São objetivos: a defesa e proteção do meio ambiente, melhor eficiência do gasto público e da gestão dos processos de trabalho, os quais estão em conformidade com o que preconiza a Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU).

 

Texto: Samir Leão / Fotos: Elias Oliveira

Comunicação TJTO