Com 226 ações e 19.566 participações em ações de capacitação socioambiental, o Judiciário tocantinense obteve a melhor performance entre todos os tribunais do país em Capacitação Socioambiental, um dos 14 indicadores mínimos que integram o 4º Balanço Socioambiental do Poder Judiciário, formatado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a partir de dados de algumas variáveis que lhe são repassados mensalmente e anualmente pelos tribunais. 

O relatório mostra que, em 2019, o Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO) obteve um crescimento de 240,30% nas ações de capacitação socioambiental (eram 67 em 2018) e de 400,79% nas participações em ações de capacitação eram 3.907 no ano passado. Ações que são planejadas e executadas seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Núcleo de Gestão Socioambiental (Nuges), a partir do Plano de Logística Sustentáveis (PLS), a Comissão Gestora é presidida pela desembargadora Ângela Prudente. 

“Este resultado mostra que estamos no caminho certo, buscando capacitar e sensibilizar os integrantes do Judiciário na causa ambiental. A mudança de comportamento que buscamos passa por uma formação de consciência sustentável”, ressaltou a desembargadora. 

O resultado também foi comentado pelo presidente do TJTO, desembargador Helvécio de Brito Maia Neto. “A sustentabilidade hoje é fundamental para o próprio desenvolvimento humano. Nós do Judiciário sabemos da relevância de se trabalhar alinhados a ações de proteção ao meio ambiente, que geram também economicidade e mais qualidade de vida a todos.”

O levantamento revela também que o TJTO aumentou de 16.611 para 17.934 as participações em ações de qualidade de vida (7,96%), que é um dos indicadores usados  para a apuração do Índice de Desempenho de Sustentabilidade (IDS), que consiste, segundo o CNJ, em "criar um indicador sintético que seja capaz de avaliar, em uma única dimensão, o resultado combinado de vários indicadores distintos, permitindo assim, comparação objetiva entre os tribunais".

O Judiciário tocantinense também viu crescer de 14 para 106 a quantidade de ações de qualidade de vida (667,15%);  de 324 para 1.572 as ações solidárias (385,19%); e de zero para 14 as ações de inclusão (1.400%), na comparação com 2018.

Entre os indicadores mínimos Impressões e Papel, o TJTO foi o quarto com menos impressões e consumo de papel per capita entre os tribunais de pequeno porte, respectivamente com 1.457 impressões e 4,5 resmas.  

Redução de gastos

O relatório, divulgado nesta quinta-feira (4/6), revelou também que o TJTO reduziu gastos em várias áreas na comparação com 2018. É o caso dos gastos com limpeza, que caíram de R$ 12.459.989,21 para R$ 8.721.435,61 (30%) no período base.

Já o consumo de embalagens retornáveis para água mineral (galões) caiu de 22.395 para para 12.651 (43,51%), o mesmo ocorrendo com a água mineral em embalagens retornáveis, cujo gasto caiu de R$ 286.067,65 para R$ 134.486,68 (52,99%). 

Também reduziu de 616 para 551 o número de linhas telefônicas fixas (10,55%) e de 410 para 407 o número de linhas telefônicas móveis (0,73%), ao passo que os gastos com linhas móveis caíram de R$ 485.205,36 para R$ 464.352,94. E ainda de 89 para 87 o número de veículos (2,25%); e o consumo de diesel de 111.853,40 para 111.505, 79 (0,31%).

Texto: Marcelo Santos Cardoso

Comunicação TJTO