“A ação justifica-se pelo fato de a maioria das mulheres vítimas de violência doméstica e familiar ter dificuldade de acesso à saúde e contar com autoestima reduzida”, ressalta a juíza Cirlene Maria de Assis Santos Oliveira, sobre o projeto “Bem-estar da Mulher na 16ª Semana da Justiça pela Paz em Casa”, que está sendo realizado pela Vara Especializada no Combate à Violência Doméstica e Familiar de Araguaína desde a última segunda-feira (10/3), no Fórum local e na Escola Luiz Gonzaga que ficam, respectivamente, nos setores das Autarquias e Costa Esmeralda. 

A programação, que irá até esta sexta-feira (13/3), das 9 às 11 horas e das 13 às 17 horas, com vários serviços e atendimentos oferecidos diretamente para elas, contempla orientação sobre como prevenir de doenças; eventual necessidade de tratamento; e sobre elevação da autoestima das mulheres vítimas.

Em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, Faculdade de Ciências do Tocantins (FACIT) e a Hinode, a Vara disponibiliza, no Fórum, stand de maquiagem, de degustação, testes rápidos, palestra sobre empoderamento feminino, além de atendimentos com psicólogo e cardiologista.

Já na escola, haverá também testes rápidos e atendimentos psicológicos, além de atendimento com equipe da Delegacia Especializada no Atendimento para Mulheres e registros de Boletim de Ocorrência relacionado à Lei Maria da Penha. E ainda atendimentos para pets; palestras sobre saúde e violência doméstica; e tendimentos odontológico e jurídicos.

Audiências e julgamentos

E a programação também tem esforço concentrado na área judicial, com 26 audiências de instrução designadas relativas à violência contra a mulher, sendo que cerca de outras 30 foram realizadas na semana passada. Já em fevereiro, lembra a juíza Cirlene, foram encaminhados mandados de prisão em aberto para a Polícia Civil cumprir. E ainda há a previsão de haver 30 julgamentos até a tarde da desta sexta-feira.

Texto: Marcelo Santos Cardoso / Fotos: Divulgação

Comunicação TJTO