A implantação do projeto Gestão de Pessoas por Competências no Poder Judiciário está concluindo sua primeira etapa. A fase agora é feedback para resultados na avaliação de competências, respondida por 76% dos servidores da área fim. Nesta quinta-feira (22/1) servidores que ocupam cargos de gestão (manhã) e magistrados (tarde) participaram de um encontro com o consultor Renan Sinachi, da Leme Consultoria, empresa responsável pela implantação do projeto no Judiciário.
Durante a tarde a presidente do TJTO, desembargadora Ângela Prudente abriu o evento voltado para juízes de todas as comarcas do Estado. "Decidimos aderir a esse novo projeto, que para o Poder Judiciário é uma inovação, incluindo no nosso plano de gestão, pois verificamos que havia uma dificuldade para saber sobre o perfil dos servidores, como equacionar e organizar a força de trabalho. Tenho certeza que o Gestão por Competências vai garantir melhor produtividade, e acima de tudo mais motivação, comprometimento e qualidade de vida ao servidor. Temos servidores e magistrados talentosos e que podem ser melhor aproveitados", afirmou.
A desembargadora ainda parabenizou todos os integrantes do Comitê de Implantação do projeto, coordenador pela juíza auxiliar da Presidência, Silvana Parfieniuk. "A equipe se sacrificou e percorreu as 42 comarcas sensibilizando magistrados e servidores sobre o modelo de gestão de pessoas, um trabalho valoroso", afirmou. A presidente do TJ também relembrou a iniciativa de alguns magistrados que já desenvolveram algumas experiências e tiveram resultados positivos. Como é o caso do juiz José Eustáquio de Melo Júnior, da Comarca de Xambioá.
Durante sua explanação o consultor falou sobre a importância dessa fase de retorno das avaliações. "feedback é uma informação e o apontamento de onde devemos chegar. o objetivo é contribuir para que o servidor possa atingir o alvo com precisão e com isso todos ganham", explicou Sinachi.
"O Gestão por Competências é um projeto de fundamental importância, vai descobrir o novo paradigma do Judiciário, após a consolidação do processo eletrônico", disse o juiz Pedro Nelson de Miranda Coutinho, que acompanhou a apresentação feita pela consultoria.

Gestão por Competências

O projeto, iniciado ainda no mês janeiro de 2014, já concluiu várias fases. A exemplo do Planejamento Interno, reunião de Planejamento, entrevista com a alta direção e apresentação para o Comitê Estratégico. Na segunda fase do Projeto, mapeou-se 100% das competências comportamentais dos servidores da instituição. Já na terceira fase, o Projeto descreveu as funções/papeis da instituição com coleta de dados e realizou o mapeamento das competências técnicas, que na sequência foram validadas. Ainda foi concluída a fase da avaliação de competências, permitindo que cada servidor e gestor atuantes na área finalística indicassem quais competências (técnicas e comportamentais) já possuem, o nível suficiente para o exercício de seu trabalho e ainda em quais dos conhecimentos há necessidade de mais desenvolvimento.