A preocupação do Poder Judiciário em relação à violência contra mulher também se estende nos casos em que os conflitos já se encontram resolvidos.  A inquietação persiste na reestruturação da relação afetiva entre agressor e vítima, e também entre os familiares envolvidos no conflito. Foi neste intuito que a Vara Especializada no Combate a Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, da Comarca de Palmas, realizou o evento “Ressignificando os Laços Familiares” na tarde desta sexta-feira (02/12), no salão do Tribunal do Júri, no Fórum de Palmas.

 

“Nosso intuito é contribuir para o fortalecimento da relação entre casais e familiares, abalada pelos conflitos existentes no seio da família, além de contribuir para criar ambiente confortável para esta reestruturação”, ressaltou a Juíza da Vara, Edssandra Barbosa da Silva, durante discurso de abertura do evento. Juntamente com sua Equipe Multidisciplinar, a Vara da Mulher executa medidas de proteção contra a violência familiar e presta atendimento às vitimas e supostos agressores, além de membros da família envolvidos junto aos conflitos.

 

O público alvo do evento são casais, e também famílias, que resolveram apaziguar os conflitos por iniciativa própria e consenso comum, mas que se encontravam com ações em tramite no Judiciário. Ao retirar as queixas consequentemente os processos são arquivados.

 

Mas é preciso dar devida atenção também após a conciliação entre os casais. “Se a mulher ou membro familiar não receberem atendimento integral e psicossocial após as agressões, mesmo tendo conciliado, a tendência é que esses venham a retornar o ciclo de intrigas e violência”, confirma a Titular da Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (Deams), a delegada Maria Haydêe Alves Guimarães Aguiar. Ela foi uma das palestrantes do evento e contou casos peculiares que eventualmente atendeu, além de explicar como se dá toda a operacionalização da Lei Maria da Penha em Palmas. Além da delegada, o psicólogo Pedro Henrique Mourão explanou sobre questões que envolvem a terapia familiar e também do casal.

 

Os participantes foram agraciados com camisetas, fotos pessoais retiradas anteriormente ao evento, além da possibilidade de ganharem prêmios sorteados durante a cerimônia. Os homens receberam laços brancos devido à mobilização mundial de homens engajados pelo fim da violência contra a mulher. Por fim, assistiram apresentações teatrais e de dança inspiradas na Lei Maria da Penha.