Natural de Ceres, Goiás, Amado Cilton Rosa é formado em Direito. Ingressou no Ministério Público em oito de maio de 1984, quando foi nomeado, por Decreto de 27 de abril daquele ano, para exercer em caráter efetivo, o cargo de Promotor de Justiça de 1ª Entrância da Comarca de Paraíso do Norte, então Estado de Goiás, por meio de concurso público. Tomou posse neste cargo em 23 de maio de 1984.
Em 11 de julho de 1984, foi designado para, cumulativamente ao cargo que exercia, responder pela Comarca de Araguacema, região Noroeste de Goiás.

Novamente, em cinco de fevereiro de 1985, é chamado para assumir mais uma função paralela àquela que exercia: foi designado para responder pela a Promotoria de Justiça de Miracema do Norte, durante o afastamento legal e temporário do titular efetivo.

Nova atribuição cumulativa lhe foi designada em 11 de julho de 1984: a responsabilidade pela Comarca de Miracema do Norte. Ainda nesta Comarca, respondeu, a partir de 23 de maio de 1986, pela Promotoria de Justiça, a qual era titular.
Por Decreto datado de 23 de setembro de 1986 foi promovido, pelo critério de merecimento, para o cargo de Promotor de Justiça de 2ª Entrância da Comarca de Miracema do Norte.
Foi promovido, em 30 de janeiro de 1989, ao cargo de Procurador de Justiça.
Sua ascensão ao TJTO, na função de Desembargador, se deu por meio do Decreto 353/89 de 1º março de 1989, representando o Ministério Publico (Quinto Constitucional). Assumiu o cargo em 10 de março de 1989.
No exercício do cargo de Desembargador, assumiu várias funções no TJTO e no Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins. Foi Corregedor-Geral da Egrégia Corte tocantinense; Vice-Presidente e depois Presidente do TRE-TO, no período de 10/03/1994 a 09/03/1995.