Cumprindo pena por assassinato de jovem em Palmas, homem é condenado a 14 anos por outro crime em Colméia

Jefferson Bispo dos Santos foi condenado, na última quinta-feira (25/01), a 14 anos de prisão pelo Tribunal do Júri da Comarca de Colméia. Conforme consta na sentença, o réu atirou contra Jomar Sousa da Silva, em maio de 2013, no município de Itaporã. Na Comarca de Palmas, Jefferson já cumpre pena de 18 anos e três meses pela morte de uma jovem em 2012.

Segundo apurado durante o processo, o irmão do réu se envolveu em uma discussão por causa de um jogo de sinuca e ligou para ele contando o ocorrido. Jefferson foi armado até o local e atirou contra uma das pessoas envolvidas na briga. Pelo ocorrido, o Conselho de Sentença decidiu, por maioria dos votos, que o réu praticou "homicídio tentado duplamente qualificado por motivo fútil e recurso que dificultou a defesa".

Ao fixar a pena, o magistrado que presidiu o Tribunal do Júri, juiz Ricardo Gagliardi, condenou Jefferson a pena de 14 anos de reclusão e ao pagamento de danos morais no valor de R$ 10 mil à vítima. O magistrado ainda aplicou o regime inicial para cumprimento da pena fechado e negou ao réu a chance de recorrer da decisão em liberdade. "Visto que o réu permaneceu foragido parte do processo, por serem os fatos em concreto graves, de modo que se presume a periculosidade do réu e o risco de reiteração delitiva, já que o réu efetuou disparo de arma de fogo contra a vítima de maneira impulsiva, de maneira descontrolada, demonstrando agressividade e falta de equilíbrio, e ainda por possuir maus antecedentes por crime de natureza hedionda, contra adolescente na Comarca de Palmas, em 2012", justificou na decisão.

Entenda

Jefferson e o irmão Gustavo confessaram à polícia, em 2013, o estupro e assassinato da jovem Raylane Kelle Santana de Sousa, em Palmas. A adolescente, que morava na região norte da cidade, estava desaparecida desde abril de 2012, quando o crime foi cometido. Em maio deste ano, os irmãos foram condenados. Jefferson recebeu pena de 18 anos e três meses de prisão.

Paula Bittencourt - Cecom / TJTO

Foto: Rondinelli Ribeiro - Cecom / TJTO