Cejusc de Palmas recebe alunos da Universidade da Maturidade

A tarde da quinta-feira (23/11) foi marcada pela visita dos alunos da Universidade da Maturidade (UMA) ao Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) de Palmas. O momento destinado ao aprendizado e à inclusão é fruto de convênio entre o Poder Judiciário e a Universidade Federal do Tocantins.

No primeiro momento, os participantes conheceram as instalações físicas do Cejusc, suas funções sociais e, por meio de um bate papo com a equipe do Centro, os idosos compreenderam melhor o papel dos conciliadores e mediadores na disseminação da cultura da paz e do diálogo. No encontro também foram apresentados ações e projetos do Judiciário em prol da resolução adequada dos conflitos.

Expositora durante a visita e um das mentoras da ação, a conciliadora Paola Lazzaretti Victor explica que proposta da iniciativa surgiu a partir de pesquisa de Mestrado desenvolvida por ela, que atua há sete anos na área da conciliação. “Nosso principal objetivo é tornar os idosos protagonistas da mediação e da conciliação, que é legislativamente inovadora. Isso fará com que eles possam ser incluídos socialmente e politicamente, além de proporcionar ainda uma opção de renda futura”, concluiu.

Aos 59 anos, a estudante Maria do Socorro Pereira já atuou como conciliadora em anos anteriores e afirmou que a visita ao Cejusc reforçou a vontade de continuar colaborando com a conciliação. “É muito bom quando vemos um conflito sendo resolvido e saber que fizemos parte dessa conquista”, revelou.

Audiência Simulada

Um dos momentos mais aguardados pelo grupo visitante foi a realização da audiência de conciliação simulada. Na dinâmica, cada idoso assumiu o papel de um personagem envolvido em conflito para visualizar na prática o funcionamento da Justiça.

Interpretando o advogado da parte reclamante, Severino José Dantas, de 72 anos, se disse satisfeito em estar, pela primeira vez, dentro de um Fórum. “É diferente do que eu via na televisão e nos filmes. Aqui é melhor, com várias salas, pessoas bem dispostas em atender o público e ainda a possibilidade de resolver um problema com conversa, compreensão e acordos”, afirmou.

 

Maria Gabriela – Cecom/TJTO

Fotos: Luiz de Castro- Agência Public