Processo em grau de recurso termina em conciliação com apoio do Nupemec

Uma audiência de conciliação, realizada na tarde de segunda-feira (16/10), pôs fim a um embate que já durava cerca de dez anos na Justiça. Com a mediação de conciliadoras do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania de Palmas, escaladas pelo Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), os envolvidos entraram em acordo e deram por encerrado o processo que tramitava na 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Tocantins. Outras seis ações também serão concluídas após o entendimento das partes.

Com recurso no 2º grau, sob a relatoria do desembargador Marco Anthony Villas Boas, o objeto da ação era uma fazenda localizada em Paraíso do Tocantins, onde as partes requeriam sua propriedade. Conforme o acordo firmado, as duas pessoas envolvidas decidiram por dividir ao meio os direitos sobre o imóvel rural e, desta forma, dar por encerrado o processo judicial.

Ao fim do acordo, as partes se mostraram satisfeitas com o resultado. "A gente tem que ser flexível e tentar que as coisas sejam, pelo menos, resolvidas da melhor maneira possível. Essa é a importância da gente ceder. Todos aqui se dispuseram a ceder para que tudo se encaixasse e o acordo fosse feito de forma amigável", ressaltou Janine Alves Fiuza.

"Acho importante porque tentamos por fim a uma demanda; resolvemos fazer o acordo e vamos seguir com a vida", complementou Raimundo Sulino dos Santos.

Para a coordenadora do Nupemec, juíza Umbelina Lopes, acordos como este vão ao encontro dos objetivos do Núcleo, ao oferecer  as condições necessárias para efetivar o máximo de conciliações possíveis.  "Tanto no primeiro como no segundo grau, contribuindo para diminuição da taxa de congestionamento e para criação da cultura da paz e do consenso", ressaltou.

Paula Bittencourt - Cecom/TJTO

Foto: Rondinelli Ribeiro - Cecom/TJTO