Gestão por Competências

A definição de competências está embasada no CHA, que são conhecimentos, habilidades e atitudes, o conhecimento tem relação com a formação acadêmica, a teoria, as habilidades e ligada a parte prática à vivência ao domínio do conhecimento e a atitude são nossas emoções, valores e sentimentos, o comportamento humano.
E uma metodologia que visa o mapear as competências da organização e dos servidores com o objetivo de trazer melhorias nas estratégias de trabalho e conseqüentemente melhores resultados.
Transparência (o que está sendo feito) Justiça (construir critérios com amostra do que de fato faz) Maritocracia (dar oportunidades para as pessoas, reconhecimento mérito legítimo) Desenvolvimento (desenvolver as pessoas, capacitar)
Capacitação: você poderá minimizar eventuais gaps (lacunas) de competências individuais, porque a Gestão por Competências permite eliminar as incompatibilidades entre o que você está preparado para fazer (suas competências individuais) e o que o TJ-TO demanda de sua atuação (competências do papel que você exerce na instituição). Ser a pessoa certa no lugar certo: a implantação da Gestão por Competências não tem a finalidade de realocar ninguém, mas sim de desenvolver os conhecimentos, habilidades e atitudes do servidor no local onde ele desempenha suas atividades atualmente. Transparência: isso tudo acontecerá de forma transparente, onde todos poderão saber quais são os conhecimentos, habilidades e atitudes exigidas para o seu papel dentro da Instituição. Justiça Interna: as oportunidades estarão acessíveis a todos, pois, se você tiver uma meta profissional, poderá saber, de antemão, qual é o caminho para atíngí-la por meio de uma tilha de apredizagem que lhe orientará sobre quais cursos precisa fazer para alcançar essa meta dentro da instituição. Reconhecimento: Os servidores passarão a ser reconhecidos pela sua real entrega de trabalho ao TJ-TO, possibilitando a identificação dos talentos da Instituição.
Contribuir com a comissão de seleção e treinamento do TJTO na definição dos perfis para concurso público. Subsidiar a ESMAT na definição de programas, cursos e outras ações educacionais que venham de encontro com as necessidades institucionais (efetividade dos cursos). Possibilitar a criação do banco de talentos do TJTO para identificação dos perfis dos servidores. Promover a valorização do servidor através da meritocracia, possibilitando melhor desempenho e maior produtividade. Melhorar a qualidade e celeridade da prestação jurisdicional
Através desse mapeamento será possível identificar a distância entre o nível de conhecimento ideal e o nível de conhecimento atual de cada colaborador referente à função exercida - essa diferença é conhecida também como GAP (lacunas existentes). Essas lacunas precisam ser preenchidas para que atinja a competência requerida pela organização para desempenhar determinada função, para isso a instituição propõe capacitação do servidor alinhada aos resultados que o Tribunal necessita.
Não há ligação entre a Gestão de Pessoas por Competências e o Código de Organização do Judiciário, são situações distintas, o projeto visa mapear as competências da organização e dos servidores com o objetivo de trazer melhorias nas estratégias de trabalho e conseqüentemente melhores resultados.
Porque são os servidores quem conhecem a realidade do seu setor, e também uma forma de realizar o processo de forma democrática.
Não. O objetivo de se fazer os mapeamentos e identificar os GAPS (lacunas existentes) essas lacunas precisam ser preenchidas para que atinja a competência requerida pela organização para desempenhar determinada função, para isso a instituição propõe capacitação do servidor alinhada aos resultados que o Tribunal necessita.
A implantação da Gestão por Competências não tem a finalidade de realocar ninguém, mas sim de desenvolver os conhecimentos, habilidades e atitudes do servidor no local onde ele desempenha suas atividades atualmente.
A Gestão por Competências permite eliminar as incompatibilidades entre o que você está preparado para fazer (suas competências individuais) e o que o TJ-TO demanda de sua atuação (competências do papel que você exerce na instituição). Para tanto será dado oportunidade às pessoas para que desenvolvam suas habilidades.